Acordo de Paris é aprovado e vira lei internacional a partir de novembro

10 oct 16

A previsão é de que o Acordo de Paris entraria em vigor apenas em 2020.


 

No mesmo dia em que é divulgado o nome do novo secretário geral das Nações Unidas, o português António Guterres, a UNFCCC divulga que o Acordo de Paris acaba de cumprir os dois requisitos para entrar em vigor e, portanto, torna-se lei internacional em cinco de novembro de 2016, menos de um ano após ter sido definido na CoP21 de Paris, em 2015.  Trata-se da mais rápida ratificação da história da ONU.  Para efeito de comparação, o Protocolo de Quioto levou sete anos para entrar em vigor.


 

“A entrada em vigor do Acordo de Paris, apenas 10 meses após a COP21, é um momento decisivo para a economia global. Ela envia um sinal inequívoco para empresas e investidores de que a transição global para uma economia de baixo carbono é urgente e inevitável e está se acelerando mais rápido do que se poderia imaginar ser possível”, declarou Paul Polman, CEO da Unilever e Presidente do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável.


 

Para se tornar lei internacional, o Acordo de Paris teve que cumprir duas condições: ser ratificado por mais de 55 países e que estes respondam por mais de 55% das emissões globais dos gases que causam o efeito estufa. Por isso, o Acordo de Paris previa um prazo até 2020 para sua entrada em vigor.


 

“Acabar com o domínio dos combustíveis fósseis vai gerar uma abundância de inovação e oportunidades para todos nós. Nós podemos conquistar um ar mais limpo, cidades mais saudáveis e um novo tipo de revolução “industrial” apoiada por tecnologias que nos permitem viver uma vida próspera dentro dos limites que nosso planeta pode sustentar. Para conseguir isso, agora temos de aumentar a nossa ambição para garantir o legado deste momento seja selado como um ponto de pivô positivo na história. Um número crescente de pessoas comprometidas quer garantir que, juntos, nossos líderes, comunidades, cidades, empresas e cidadãos possam realmente dobrar a curva sobre as emissões do aquecimento global”, declarou Christiana Figueres, ex-secretária executiva da UNFCCC.


 

Reflexo dos desafios globais


 

Para Jill Duggan, diretor do Grupo de Líderes Corporativos do Príncipe de Gales, “A velocidade sem precedentes que está impulsionando a rápida entrada em vigor do Acordo de Paris mostra a enorme importância do desafio climático para os governos em todo o mundo, apesar da turbulência política que emergem em muitas economias. A importância do Acordo de Paris e seu impacto universal não podem ser subestimados. A transição para uma economia de carbono zero é inevitável. Agora é o momento para as empresas comecem a se preparar para um futuro de carbono zero.”


 

Para Alden Meyer, diretor de Estratégia e Política da Union of Concerned Scientists dos Estados Unidos, “O fato de que o Acordo de Paris está tendo efeito muito mais cedo do que antecipado mostra que os líderes entendem a necessidade de ação coletiva para enfrentar a ameaça crescente do clima. O anúncio conjunto, feito do mês passado pelos EUA e pela China, que se juntaram ao acordo, claramente estimulou outros países a acelerarem os seus processos internos. Embora este marco seja certamente motivo de celebração, muito está por vir. Os países devem agora avançar agressivamente para implementar e reforçar os seus compromissos de redução de emissões no âmbito do acordo, se quisermos ter alguma chance de evitar os piores impactos das mudanças climáticas “.


 

“A velocidade com que o Acordo de Paris entrou em vigor foi notável. Mas agora precisamos ver ações concretas para seguir com a mesma rapidez”, declarou Mohamed Adow, Consultor Sênior sobre Clima, Christian Aid. “À  medida que o furacão Matthew deixa destruição por todo o Caribe, somos lembrados que o nosso clima continua a passar por mudanças rápidas e que continuamos a poluir a atmosfera. O Acordo de Paris foi como um avanço em um centro de reabilitação. Os líderes mundiais admitiram pela primeira vez que tinham um problema de dependência dos combustíveis fósseis e que iriam se limpar.  A questão agora é se eles perseverarão neste novo caminho ou se desistirão na primeira decisão difícil. Como um viciado saindo das drogas, eles precisam se afastar de verdade da substância prejudicial. Sua atitude m relação às promessas do Acordo de Paris será testado nos próximos dias. É imperativo que eles concordem com uma redução global dos gases de efeito estufa HFCs em Ruanda na próxima semana.”

 

 

 

Fonte: ciclovivo.com.br

Tags:
As estações de trem e metrô e os terminais de ônibus da cidade de São Paulo poderão receber grandes prédios residenciais e comerciais, como shoppings, faculdades e hospitais. O novo texto do projeto da Lei de Zoneamento, publicado pela Câmara Municipal no sábado, 20, no Diário Oficial da Cidade, permite novas construções nesses locais com área até quatro vezes maior do que a do terreno. O projeto
Quem passa pela Avenida Paralela já se acostumou com o movimento de caminhões, tratores e trabalhadores da construção civil envolvidos nas obras do Complexo Viário Imbuí-Narandiba, que estão em ritmo acelerado. Para desafogar o trânsito, a região ganhará três viadutos interligando o Imbuí, Narandiba, Tancredo Neves, Boca do Rio, Costa Azul, Stiep e outros bairros.
Foi lançada no dia 24/10/2013 a Agenda Legislativa da Indústria, documento que analisa 32 propostas, em forma de projeto de lei, que estão em tramitação na Assembleia Legislativa e tratam de questões que afetam o setor industrial. São projetos relacionados às áreas tributária, econômica, social, trabalhista, de política urbana e meio ambiente. O lançamento foi feito durante a reunião de diretoria