Inaugurada Via Expressa em Salvador

04 nov 13

Maior intervenção viária nos últimos 30 anos, a Via Expressa Baía de Todos-os-Santos foi inaugurada oficialmente (foto), na última sexta-feira, pelo governador Jaques Wagner e a presidente Dilma Rousseff. No total, foram investidos na obra, considerada uma das principais intervenções do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), R$ 480 milhões, resultado de parceria dos governos federal e estadual. Também estiveram presentes no evento o ministro dos Transportes, César Borges, o prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto, entre outras autoridades.

 

O sistema viário, construído pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), vai contribuir para desafogar o tráfego em áreas de grande congestionamento, como a Rótula do Abacaxi, Ladeira do Cabula, Avenida Bonocô e San Martin. O trajeto entre a BR-324 e o Porto de Salvador será reduzido em 3,2 quilômetros.

 

Revitalização - A Via Expressa atende a uma importante demanda da população baiana por um novo acesso ao Porto de Salvador, o primeiro na Região Norte/Nordeste em movimentação de contêineres e um dos maiores em exportação de frutas. Além de impulsionar o desenvolvimento, dinamizando as relações comerciais, torna-se indutora da revitalização dessa área.

 

"Quando passei por esta via percebi a complexidade da obra e o quanto é importante para a população de Salvador. A partir de agora, o tráfego vai fluir melhor, dando mais qualidade de vida aos moradores, que vão sair dos longos congestionamentos", afirmou a presidente Dilma Rousseff.

 

 Trajeto reduzido - Por meio da via, caminhões e carretas serão conectados diretamente à BR-324 e ao porto. A previsão é que na via trafeguem pelo menos 3.500 veículos de cargas e 59,5 mil automóveis e ônibus, o que deve gerar movimento médio de 63 mil veículos por dia.

 

Ao circular pela Via Expressa, o motorista terá redução de 3,2 quilômetros no trajeto da BR-324 ao Porto de Salvador. Anteriormente, o percurso era de 7,497 quilômetros rodados – agora são 4,297 quilômetros. O sistema viário passa por Água de Meninos, Ladeira do Canto da Cruz, Estrada da Rainha, Largo Dois Leões, Avenida Heitor Dias, Rótula do Abacaxi, Ladeira do Cabula e Acesso Norte.

 

Três túneis - A Via Expressa tem dez faixas de tráfego - seis para tráfego urbano e quatro exclusivas para veículos de carga -, três túneis, 14 elevados, duas passarelas, além de ciclovia, pista de rolamento e passeios.

 

O governador Jaques Wagner destacou a importância dos investimentos em infraestrutura na capital, citando também o metrô, que vai ter 40 quilômetros, os viadutos do Imbuí e de Narandiba, a duplicação da Avenida Pinto de Aguiar e a intervenção na Avenida Gal Costa, criando vias para a orla marítima e a Suburbana, passando por Pirajá até o Alto do Cabrito.

 

"É uma obra monumental, a maior intervenção viária de Salvador nos últimos anos, depois da construção da Avenida Paralela, que vai resolver as questões de mobilidade", afirmou o governador.

 

Impactos positivos - Ainda que, inicialmente, o benefício da Via Expressa Baía de Todos-os-Santos tenha sido previsto na infraestrutura logística, que amplia a competitividade do Porto de Salvador, é na mobilidade urbana que se mostra o reflexo mais direto na vida dos soteropolitanos.

 

Com a entrega da via completa e retirada do tráfego pesado de avenidas como Bonocô e San Martin, estimam-se impactos positivos inclusive na segurança no trânsito, com redução do número de acidentes e do tempo de deslocamento na cidade.

 

 

 

Fonte: Diário Oficial do Estado.

Tags:
Com o fim do verão é chegada a época das chuvas em Salvador. Nesta Metrópole com uma topografia tão peculiar quanto evidente ao olhar de qualquer dos seus cartões postais, a população soteropolitana convive há muito tempo com os transtornos advindos da combinação entre as precipitações e as várias encostas que delimitam a cidade alta e a cidade baixa.
Bernardo Chezzi participa do ADIT Juris palestrando sobre o tema: “O mercado imobiliário e a otimização dos instrumentos previstos no Estatuto das Cidades”, trazendo uma abordagem crítica e inovadora dos instrumentos urbanísticos utilizados pelas cidades.
É importante frisar que a relação legal é sempre do condomínio com o condômino. Por isso, é o condômino (proprietário) quem deve ser acionado judicialmente quando a taxa não for paga – mesmo se for responsabilidade do inquilino arcar com esse custo.