Assinatura Eletrônica, assinatura digital, certificado digital. Qual é a diferença?

Assinatura Eletrônica, assinatura digital, certificado digital. Qual é a diferença?

24 aug 20

Por Matheus Diniz

A assinatura eletrônica nada mais é do que o método tecnológico que permite evidenciar a autoria e integridade do conteúdo de um documento eletrônico, o que abrange a proteção dos seus metadados. São espécies de assinatura eletrônica a assinatura digital, a assinatura biométrica, assinatura por geolocalização, etc.

Já a assinatura digital é a espécie de assinatura eletrônica caracterizada pelo emprego de criptografia de chaves assimétricas na função hash de um documento. Elaboramos o card para facilitar a compreensão desses aspectos tecnológicos no nosso instagram

Muito embora a assinatura digital seja meio apto a atestar a autenticidade de um documento eletrônico, percebeu-se a conveniência de associá-la a um processo de autenticação, para oferecer um grau adicional de segurança, o que deu origem à certificação digital.

Em apertada síntese, os certificados digitais são utilizados ​​para verificar também a identidade do emissor, enquanto assinaturas digitais se limitam verificar a confiabilidade dos dados enviados (resguardado o uso de outras ferramentas de autenticação).

Porém, é importante distingui-la da assinatura digitalizada. A assinatura digitalizada nada mais é do que um arquivo de imagem que reproduz digitalmente a grafia de uma assinatura física.

Como a autenticidade da assinatura física reside na capacidade de verificação de alterações no suporte material por meio de perícia técnica, é notório que a imagem digitalizada não será apta a demonstrar que quem firmou o documento é realmente a pessoa ao qual a imagem da assinatura foi vinculada.

Por esse motivo, a assinatura digitalizada não é aceita pelos tribunais pátrios como recurso de autenticidade de documentos, diferentemente do que ocorre com a assinatura digital. 

Tags:
A 6.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF1) concedeu a um casal do estado de Goiás o direito de usar o saldo do FGTS para quitar consórcio imobiliário. A decisão confirma sentença da Vara Única de Aparecida de Goiânia/GO.
Quase 240 imóveis da União, em 21 estados, estarão disponíveis para a venda através de concorrência pública, segundo divulgado esta semana no Diário Oficial da União. O maior número encontra-se no Distrito Federal (61) e em Minas Gerais (58). Doze deles são na Bahia, em cidades como Salvador, Paulo Afonso e Cachoeira.
Sublocação é um assunto que desperta dúvidas entre proprietários e locatários. Sob consentimento expresso, a atividade não é considerada ilegal, mas deve seguir algumas regras estabelecidas pela Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245, de 1991). Para que um locatário possa sublocar um quarto dentro de um imóvel residencial ou mesmo a área de um espaço comercial é preciso possuir uma cláusula contratual o