Uso de dados

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Concordo
Novo Código de Normas da Bahia busca a desburocratização

Novo Código de Normas da Bahia busca a desburocratização

05 mar 20

Neste mês de fevereiro foi publicado o Provimento Conjunto das Corregedorias nº 03 de 2020, trazendo o Novo Código de Normas e Procedimentos do Estado da Bahia (CNP). O novo CNP contou com a colaboração da equipe do Chezzi Advogados, através da assessoria jurídica prestada à Associação dos Registradores de Imóveis da Bahia (ARIBA), bem como através do Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário (IBRADIM) – ambos organismos fizeram valiosas contribuições às normas extrajudiciais- e buscou desburocratizar o direito registral no Estado, universalizando o acesso à população.

Bernardo Chezzi, advogado especialista em direito imobiliário, bem como notarial e registral, que também integrou o Comitê de Conflitos Fundiários do Tribunal de Justiça da Bahia, destaca diversas inovações que propôs e participou, como o usucapião extrajudicial (inclusive resolvendo o imbróglio nas áreas rurais), a regulamentação da regularização fundiária urbana, padronização da indisponibilidade, simplificação da retificação extrajudicial e da incorporação imobiliária, loteamentos, e muitos outros pontos. A nova legislação do condomínio de lotes, inclusive de Salvador, também está refletida.

Destacam-se, ainda, a dispensa do reconhecimento de firma em diversos tipos de requerimento, a facilitação dos mecanismos de regularização da propriedade (usucapião, reurb e retificação de registro) e a consolidação da possibilidade de averbação de construção sem o habite-se para imóveis de até três pavimentos.

Acesse o Código de Normas em seu inteiro teor aqui.

 

Tags:
De forma periódica, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulga teses firmadas pela corte, no formato de informativos, selecionadas com base no grau de inovação do tema e na potencialidade de repercussão do assunto no meio jurídico.
Sublocação é um assunto que desperta dúvidas entre proprietários e locatários. Sob consentimento expresso, a atividade não é considerada ilegal, mas deve seguir algumas regras estabelecidas pela Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245, de 1991). Para que um locatário possa sublocar um quarto dentro de um imóvel residencial ou mesmo a área de um espaço comercial é preciso possuir uma cláusula contratual o
Bernardo Chezzi participa do ADIT Juris palestrando sobre o tema: “O mercado imobiliário e a otimização dos instrumentos previstos no Estatuto das Cidades”, trazendo uma abordagem crítica e inovadora dos instrumentos urbanísticos utilizados pelas cidades.